Índia Extraordinária – Parte III

O Mundo em Fotopoesia: Índia

Para sair do tórrido verão indiano, na última parte da minha trip pela Índia, eu fui para as montanhas do norte, de Khajuraho diretamente à Rishikesh, capital internacional do Yoga. Ao chegar à cidade, primeira grande surpresa: muita gente falando português. Local onde está o Ashram do Prem Baba, milhares de brasileiros todo ano visitam o lugar para um Satsang com ele. Como eu não sabia disso até chegar lá, achei que eu tinha me teletransportado de volta a alguma localidade do Brasil desconhecida. Minha segunda surpresa foi a limpeza do rio Ganges naquele ponto: como Rishikesh é a primeira grande cidade à beira do rio Ganges, suas águas límpidas e geladas são um convite a um mergulho sagrado. Toda noite havia danças, cantos e mantras com dezenas de pessoas em comunhão bem pertinho do rio. O fluxo energético é enorme no local e Rishikesh me pareceu um dos Chakras principais da Terra onde a energia cósmica dança e vibra em todos que ali se encontram (lugares não são apenas lugares). Na cidade, é proibido o consumo de carnes e álcool e em contrapartida é possível desfrutar de dezenas de pratos vegetarianos deliciosos nos restaurantes localizados à margem do Ganges. É até possível experimentar o famoso Bhang Lassi ou Special Lassi, iogurte com partes das flores e folhas da Cannabis usado há séculos na Índia. Só provando pra entender.
Para quem gosta de Yoga, Rishikesh é a Meca. Dezenas de locais oferecem cursos, práticas, encontros em suas diversas abordagens: Hatha Yoga, Ashtanga Yoga, Raja Yoga, Bhakti,  tem para todos os gostos e eu encontrei até um russo que oferecia Ignis Yoga por lá, método que ele próprio desenvolveu. Para quem gosta de massagem, é possível se aprofundar na Ayurvédica e outras variantes. Falando nisso, há grupos de estudos e práticas da medicina Ayurvédica, das técnicas de respiração como o Pranayama e por aí vai. Alguns monastérios oferecem o Vipasana, processo em que o praticante fica 10 dias sem comunicação (sem falar) e com uma alimentação restrita. Enfim, a cidade é um prato cheio pra quem se interessa por tudo isso. Passei 10 dias em Rishikesh, mas foi pouco. Conheci gente do mundo inteiro, desfrutei de cachoeiras próximas à cidade, fiz passeios de bicicleta, conheci sadhus que optaram por não participar da sociedade e se isolaram nas montanhas, tomei um super café depois de um trekking com 2 holandesas, Julia e Lidh, em um hotel cinco estrelas chamado Ananda Hotel Spa, local onde geralmente as autoridades, presidentes e primeiras-damas se hospedam quando visitam a região (uma noite por lá custa 700 dólares). Para quem gosta de esportes, há opções de rafting no rio Ganges, trekking nas montanhas próximas, ciclismo e outros mais. Eu fiz o rafting no Ganges, que não se compara ao rafting do Rio Nilo, mas vale a diversão até pelo preço que é irrisório e dessa vez o bote não virou nenhuma vez. Como nem tudo são flores, mais uma vez eu peguei diarréia, mas que felizmente durou apenas um dia. Mesmo comendo em restaurantes de boa qualidade, nunca se sabe. Como eu tinha apenas mais 20 dias de visto, segui então mais ao norte, para Dharamsala, outro lugar muito especial.
Cidade onde está assentado o Dalai Lama, Dharamsala é ainda mais alta e mais fria que Rishikesh. Na época o Lama estava de férias, mas eu fiz uma visita ao seu monastério Namgyal, local de residência de diversos monges e aspirantes. É possível observar seus diversos cantos, rituais, conversar com eles e até participar de suas práticas. A vista da região é inacreditável e o friozinho torna aquele lugar super aconchegante. À noite, sempre ocorre alguma celebração nos diversos cafés espalhados pelas montanhas. Falando em montanha, eu decidi realizar um trekking de 3 dias até Indrahaar Pass, aproximadamente a 4300 metros de altitude. Quem me acompanhou na aventura foi a Carol da França. Nós preparamos a mochila e com um mapa pusemos o pé na trilha. O primeiro trecho até Triund (2900 metros) foi tranquilo, mas conforme íamos subindo, o tempo foi mudando e logo começou a nevar. Aquela época (abril) não é recomendada para subir até o pico, já que a neve acumulada torna a subida difícil e perigosa. Nós chegamos até Laka Got, conhecida como linha da neve, onde fica um acampamento temporário de locais que vendem café e alimentos. De lá começa uma inclinada montanha de gelo rumo ao pico. Com a neve, o caminho foi ficando mais complicado. O plano era pernoitar na Caverna Lahesh a 3500 metros e realizar o ataque ao pico de manhã. No caminho encontramos um casal e um guia que tinham tentado o ataque ao cume, mas sem sucesso. Nós achamos a tal caverna, porém ela estava cheia de gelo e nós então acampamos nas pedras em volta dela. Como nevava e ventava, a sensação térmica foi lá embaixo, mas nós sobrevivemos a noite. No dia seguinte, tendo em conta a tentativa do guia e do casal no dia anterior, nós abortamos o ataque e decidimos regressar a Laka Got. No caminho vimos diversas pegadas de ursos. Passamos a segunda noite em uma caverna próxima, que dessa vez estava seca, e no dia seguinte voltamos para Dharamsala, por um outro caminho, acompanhando um grupo que também estava por lá. Apesar de não termos chegado até o pico, a trilha foi compensadora por todo o nosso esforço e coragem de suportar aquele frio intenso das montanhas e pelas vistas espetaculares que tivemos da região. Como a Carol também estava indo pra Ladakh, fomos juntos pra aquela região do extremo-norte indiano considerada o Oásis do país.
Na Índia, uma viagem de ônibus não é só uma viagem de ônibus, é uma verdadeira expedição. De Dharamsala até Leh, capital de Ladakh, nós pegamos três ônibus e levamos cinco dias. De Dharamsala fomos a Srinagar onde fizemos uma pausa de 1 dia. Local de forte influência muçulmana, a cidade é bem organizada e recebe muitos turistas de outras partes da Índia. Diversos botes ficam atracados na orla e servem como hospedagem tanto para os locais quanto para os visitantes. Vale a pena dormir em um deles. Nós então pegamos um ônibus que iria até leh. Saiu às 5h e seguiu pelas montanhas nevadas rumo à capital. A travessia chega até 4 mil metros de altitude e não é raro alguém vomitar pelo caminho. Na primeira tentativa, após cinco horas de viagem, chegamos a um ponto em que a estrada estava bloqueada por uma avalanche. Após horas parados por lá, o motorista optou por voltar à Srinagar. No dia seguinte, nova tentativa, mas a viagem tinha sido remarcada para o próximo. Assim no dia seguinte finalmente embarcamos no mesmo horário, às 5h da manhã. Dessa vez a avalanche ocorreu em frente do ônibus. Havia apenas mais cinco ou seis carros parados à frente. Nós fomos caminhando para ver a montanha de gelo que se formou na estrada. Não era tão grande, aproximadamente dois metros, mas o suficiente para bloquear a passagem. Havia poucas pás ou picaretas, então os indianos começaram a cavá-la com as próprias mãos para retirar o gelo, a tarefa durou incríveis cinco horas. Eles abriram uma passagem por entre o gelo e os carros menores conseguiram passar, mas com muito custo já que a pista escorregava demais. O ônibus tentou três vezes e somente na última e com um ronco forte do motor ele passou. Como estava tarde, o motorista decidiu pernoitar em Kargil, metade do caminho. Dia seguinte, finalmente nós completamos a missão e chegamos em Leh antes do por do sol. Que aventura. A cidade encontra-se a mais de 3 mil metros de altitude e possui um cenário fantástico. Como ainda não tinha começado a temporada, vários hotéis estavam fechados. Nos abrigamos em um hotel aconchegante e quente (lá faz bastante frio à noite). Floron, amigo de Carol, chegou no dia seguinte e nós então programamos uma nova trilha dessa vez de 5 dias pelo Markha Valley.
A trilha é bastante árdua e conta com uma passagem máxima a 5100 metros aproximadamente chamado Gongmaru La. Fomos sem guia como sempre e levamos comida suficiente apenas para a caminhada, já que à noite, algumas casas ao longo da trilha oferecem hospedagem e jantar para os trilheiros. Não havia ninguém pelo caminho já que a temporada começaria no mês seguinte e mesmo algumas casas estavam fechadas. Por sorte, famílias indianas vivem por lá o ano inteiro e auxiliam na trilha. Ela começa de uma forma inusitada, com uma caixa acoplada a uma corda para atravessar um rio. O primeiro dia foi tranquilo, já o segundo rendeu oito horas de caminhada até Markha Village. O próximo dia também foi mais curto, já que a passagem seria no quarto dia. Saímos bem cedo, às 6h e começamos em um ritmo forte. Paramos para comer e ao meio-dia comçamos a subida até a passagem. Fazia bastante frio e a altitude aumentava o esforço da subida. Nós fomos de forma bem vagorasa e por volta das 14h finalmente alcançamos o pico. Pausa breve para fotos, aperitivos e logo seguimos em frente, havia mais 5 horas de descida até a casa mais próxima. No fim do dia, após 13 horas de caminhada, estávamos esgotados. Um jantar que parecia de gala fechou com chave de ouro aquele dia de grande esforço e coragem. Nós dormimos como bebês. O úlitmo dia, enfim, foi bem mais tranquilo e após uma hora já estávamos à beira da estrada. De lá pegamos um táxi de volta a Ladakh e voltamos para o mesmo hotel. Após uma noite bem dormida, eu desfrutei então do meu último dia na Índia naquela viagem. Tinha vôo para Delhi no dia seguinte, e de lá para Kathmandu, Nepal, de onde iria começar uma expedição rumo ao acampamento base do Everest. Conto na Próxima. Ahô!

Lucas Ramalho

g20130406_183858

Rishikesh
Rishikesh
Trekking com essas duas holandesas até o Ananda Hotel Spa. Só a gente mesmo.
Trekking com essas duas holandesas até o Ananda Hotel Spa. Só a gente mesmo.
Ananda Hotel Spa
Ananda Hotel Spa
Me lembro uma cena do Alice Através do Espelho: chá com o Chapeleiro e a Lebre de Março.
Me lembra uma cena de Alice Através do Espelho: chá com o Chapeleiro e Lebre de Março.
Ganges
Ganges
Satsang com Prem Baba
Satsang com Prem Baba
Mike, da Alemanha, contemplando.
Mike, da Alemanha, contemplando.
Rishikesh
Incrível
Incrível
Placa curiosa
Placa curiosa
Sadhu
Sadhu
Passeio com Sabina
Passeio com Sabina
Sempre Eles
Sempre Eles
Rafting com Sabina e amiga russa.
Rafting com Sabina e amiga russa.
Dharamsala
Dharamsala
Tibete
Tibete
Monastério do Dalai Lama
Monastério do Dalai Lama
Mani
Mani Prayer Wheel
Carol e eu prontos pra trilha
Carol e eu prontos pra trilha
Carol
Carol

É muito bom estar na neve
É muito bom estar na neve
Srinagar
Srinagar

g20130425_102407

Boat Hotel
Boat Hotel
Srinagar
Srinagar
Vai encarar?
Vai encarar?
Estrada interrompida
Estrada interrompida
Carol
Carol
Se não há estrada, nós fazemos uma (mentalidade indiana).
Se não há estrada, nós fazemos uma (mentalidade indiana).
Carro tentando passar na avalanche
Carro tentando passar na avalanche

g20130428_154024

Nosso novíssimo e lindíssimo bus!
Nosso novíssimo e lindíssimo bus!
Dessa vez passa
Dessa vez passa
Portal de Leh
Portal de Leh

g20130430_171645

Travessia
Travessia
Na cadeirinha
Na cadeirinha
Bora?
Bora?
Casas pela trilha
Casas pela trilha
Forno solar
Forno solar
Floron
Floron
Boi Tibetano
Boi Tibetano
Maravilhamento
Maravilhamento
Markha Village
Markha Village
Divertimento
Divertimento
Passagem de gelo
Passagem de gelo
Markha trek
Markha trek
Finalmente no pico a 5100 metros!
Finalmente no pico a 5100 metros!

Fomos comer no Pizza de Hutt depois da trilha
Fomos comer no Pizza de Hutt depois da trilha
Stupa em Leh
Stupa em Leh
Leh
Leh
Leh
Leh
Monastério Shey
Monastério Shey
Tudo que você precisa na Índia é dessa camiseta!
Tudo que você precisa na Índia é dessa camiseta!
Somos Fortes!
Somos Fortes!
Carol
Carol
Barraca na Pedra e na Neve
Barraca na Pedra e na Neve
Prayer Flags in Laka Got, Dharamsala
Prayer Flags in Laka Got, Dharamsala
Enlouqueci na Índia (mais ainda)
Enlouqueci na Índia (mais ainda)

Book of happiness

I had a dream
I was in a bookstore
looking for the best book
They showed me a wrapped one
 
Called book of happiness
I thought i was lucky
Everybody would need a book like that
It would solve all the problems of our existence
 
No more worries or sorrows
Sadness would be over forever
The only thing that we should do
Would be read that book and be happy
 
I immediately bought the book
and i went back home eager for reading it
But before i invited all my friends and parents
and all the people around to see the book
 
We had a celebration together with lots of food, delicious food
We drank a good wine fo relaxing before starting the reading
We were dancing and singing
Everybody was so happy
 
It was almost midnight
Like a ritual we decided open it in at that very moment
So when the great time came
We circled around it
 
I removed the covering and
Finally i opened it
It was blank all the pages
We were scared
 
After a minute trying to find something inside it
I saw a text in the last page saying:
Now starts a new day in your life
We don’t need to look for happiness and you can’t find it in any book
 
But happiness is waiting for you in this new day
Like a blank page
Today is your opportunity to write a new history
Happiness is the color of the pen that you use to write your life.
After it i woke up for a new life

 Mumbai 25/02/2013

Anúncios