São Tomé das Letras

Carnaval é tempo de cidade lotada, calor, trios elétricos e foliões por toda a parte, não é mesmo? Foi justamente por isso que eu e meu irmão Vitor decidimos quebrar este paradigma e visitar um local mais alternativo sem tanta muvuca e cercado de natureza, ou seja, São Tomé das Letras. Situada na serra da Mantiqueira, no sul de minas, pertinho de Três Corações, a 350 quilômetros de São Paulo, a cidade reúne todos os tipos de pessoas: roqueiros, regueiros hippies, famílias, alternativos, fugitivos, ativos e inativos.
Sábado de carnaval, após seis horas de viagem chegamos finalmente à quarta cidade mais alta do País. Após uma rápida busca por acomodação, encontramos o Rancho Casinha Branca da super animada Valéria. Acampamos por lá e logo voltamos à cidade para ver o por do sol sobre a gruta que fica bem no centro da cidade. Muita gente à noite estava pelo centro curtindo o som que vinha dos bares ao redor. Cansados da viagem fomos logo descansar um pouco.
Domingo visitamos as cachoeiras mais famosas: Eubiose, Flávio, Lua, Véu da Noiva e a mais afastada e menos movimentada Antares. Rendeu até um cochilo. À noite fomos ao show do famoso Ventania. No local haveriam shows de outras cinco bandas. O evento começou às onze e após mais de cinco horas de espera, vimos só o vento mesmo. Já eram quase cinco da manhã e o tal de Ventania ainda não tinha entrado no palco. Desistimos assim como muita gente. Reza a lenda que o show dele é só para raros e pouca gente consegue vê-lo cantar.
Dia seguinte, era hora de visitar as grutas. Começamos pela de Sobradinho que demora menos de dez minutos. Logo seguimos para uma menor chamada labirinto um pouco mais à frente. Após o almoço chegamos até a cachoeira das borboletas completamente lotada e fomos em seguida para a famosa ladeira do amendoim onde os carros desligados sobem sozinhos. Realmente meu carro desligado começou a subir ladeira acima até mais rápido do que eu esperava (vídeo). É incrível a sensação do lugar. Mesmo a pé é possível sentir que é muito mais fácil subir do que descer. Uma das explicações é o elevado magnetismo do local que atuaria contra a gravidade. Bem pertinho dali existe uma gruta fechada pela justiça que, reza a lenda, daria acesso à Machu Picchu. Expedições realizadas anteriormente não conseguiram encontrar o fim dela. Eu e o Vítor, corajosos, resolvemos desbravar a gruta e mesmo com a grade e o arame farpado, conseguimos explorar um pouco dela. Infelizmente eu estava sem lanterna e não pude seguir muito adiante. Ela começou a se fechar logo no início e possuía muitos mosquitos e morcegos. Quem sabe uma expedição mais preparada  em uma próxima oportunidade poderia desvendar o mistério?
Na quarta de cinzas fizemos uma visita à Fundação Harmonia, ao lado do rancho. A organização busca trabalhar em harmonia com a natureza, sendo que todos os seus integrantes são voluntários. O objetivo básico dela é a felicidade e o bem estar. Contemplam templos, monumentos e estátuas de todos os povos e religiões, desde os Celtas até os Judeus, passando por egípcios, gregos e hindus. Possuem reaproveitamento da água da chuva, gerador próprio, hortas e até mesmo um observatório astronômico em construção. Um fato curioso é que o lugar é associado com diversos mistérios. Um deles  diz que um cavaleiro vestido de monge em um cavalo branco faz a ronda noturna do local. Isto realmente foi confirmado na visita sendo que o cavaleiro passa até mesmo atrás do rancho em que estávamos hehe. Outro mistério ao visitar o local foi a forma de colibri que se formou no milharal sendo que o milho dobrou sem se quebrar a la círculos concêntricos. Um dos membros da organização garante que elas foram feitas por discos voadores que costumam ser avistados no local. É ver para crer. Finda a visita, nos despedimos do pessoal do camping, da Valéria e sua mãe Teresa e fomos então para casa satisfeitos com mais esta aventura pelo Brasil.
Lucas Ramalho
Visual
Visual
Vitor pensando no Véuda Noiva hehe
Vitor pensando no Véu da Noiva hehe
Marionete da cachoeira
Marionete da cachoeira
Vitor na Cachoeira da Lua
Vitor na Cachoeira da Lua

Cachoeira da Lua

Eu na Cachoeira da Lua
Eu na Cachoeira da Lua
Cachoeira das Borboletas
Cachoeira das Borboletas
Gruta
Gruta

IMG_4677_e

Pessoal do Camping. Despedida.
Pessoal do Camping. Despedida.

IMG_4774

Forma de beija-flor no milharal
Forma de beija-flor no milharal na Fundação Harmonia

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s